Anualmente o trânsito causa cerca de 1,2 milhão de mortes no mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, de acordo com dados do Seguro DPVAT, mais de 391 mil acidentes que ocorreram no país foram indenizados na última década.

DPVAT

Tal número pode chegar a mais de 398 mil indenizações, já que vítimas de beneficiários têm até três anos para dar entrada no seguro obrigatório, que foi extinto na última semana pelo presidente Jair Bolsonaro.

De acordo com o levantamento, São Paulo (61.322) e Minas Gerais (42.778) registram os maiores quantitativos de acidentes fatais ocorridos e indenizados pelo seguro obrigatório. Na sequência aos dois primeiros colocados, estão Paraná (27.544), Bahia (27.494) e Rio de Janeiro (26.254).

Quando são analisadas as capitais, São Paulo lidera o ranking, com 12.112 acidentes fatais e indenizados pelo Seguro DPVAT na última década. O Rio de Janeiro vem em segundo lugar, com mais de 8 mil ocorrências indenizadas por morte. Na sequência, estão Fortaleza (3.339), Goiânia (3.125) e Belo Horizonte (3.004). Já Florianópolis (666), Rio Branco (635) e Vitória (428) aparecem nas últimas posições.

O superintendente de Operações da Seguradora Líder, Arthur Froes, chama atenção para a distância do Brasil em relação ao cumprimento da Década de Ação pela Segurança no Trânsito, lançada pela ONU em 2011.

“Medidas que intensificam a fiscalização, como a Lei Seca, e campanhas de conscientização da população, como o Maio Amarelo e a Semana Nacional de Trânsito, são grandes avanços na busca pela diminuição dos acidentes fatais, mas o cenário continua mostrando a importância de investir em educação para a prevenção de acidentes; na formação de condutores; e reforço da fiscalização em todos os estados do Brasil.”

O que é o Seguro DPVAT

O DPVAT é um seguro obrigatório, de caráter social, que protege os brasileiros em casos de acidentes de trânsito, sem apuração da culpa. Ele pode ser destinado a qualquer cidadão acidentado em território nacional, seja motorista, passageiro ou pedestre, e oferece três tipos de coberturas: morte (valor de R$ 13.500), invalidez permanente (de R$ 135 a R$ 13.500) e reembolso de despesas médicas e suplementares (até R$ 2.700). A proteção é assegurada por um período de até 3 anos após o acidente.

O que pode acontecer com o fim do DPVAT?

Os recursos do DPVAT são divididos em três partes, a saúde pública recebia 45% dos recursos arrecados, 50% iam para o pagamento de indenizações e os 5% restantes para o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).

A decisão de acabar com o seguro impacta diretamente o Sistema Único de Saúde (SUS), que recebe, anualmente, uma média de R$ 3 bilhões. No total, entre 2008 e 2018, R$ 33,4 bilhões foram repassados ao SUS.

Em nota oficial, o Governo Federal justificou que o fim do seguro obrigatório coibirá potenciais fraudes.


Venda de bebidas alcoólicas é liberada em pontos de descanso

Lei proíbe tráfego de cargas perigosas em serra de Joinville

TRÁFEGO RESTRITO


Atego tem crescimento de vendas em Pernambuco

VENDAS DO ATEGO CRESCEM

PIB cresce no terceiro trimestre de 2019, mas transporte retrai

ESTUDO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.