Um levantamento realizado pelo Boletim Econômico Tracker-FECAP, com dados da Secretaria de Segurança Pública, apontou queda nas ocorrências de roubo e furto de caminhões e cargas no último ano, no estado de São Paulo.

Entre junho de 2017 e maio de 2019 foram registradas cerca de 17 mil ocorrências de roubo de carga. O número apresenta queda de 22% no acumulado dos últimos doze meses, na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Perfil do roubo de cargas

A maioria dos boletins de registro de roubos de carga ocorre nas vias urbanas (86,7%), principalmente na periferia da capital paulista. Os registros de ocorrência em rodovias e estradas respondem por 8,81% dos casos.

Os cinco bairros da capital que registraram maior número de ocorrências foram Capão Redondo, Iguatemi, Vila Maria, Jardim Ângela e Grajau. Seis ruas se destacam como as mais perigosas: Avenida Raimundo Pereira de Magalhães; Estrada do M’boi Mirim; SP-330 (Anhanguera); Avenida Dona Belmira Marin; BR-381 (Fernão Dias) e Avenida do Estado.

A cidade de São Paulo responde isoladamente por 46,5% dos roubos de cargas verificados no estado. A seguir, temos as cidades de Guarulhos (5,2%), Osasco (2,7%), Campinas (2,3%) e São Bernardo do Campo (2,1%).

Os criminosos urbanos buscam por artigos como alimentos, bebidas e cigarros. Os produtos mais roubados foram carnes e derivados, laticínios, cervejas e cosméticos.

“As ocorrências são, em sua maioria, em centros urbanos e nos bairros mais populosos da periferia. As mercadorias de baixo valor agregado facilitam a distribuição e receptação no mercado ilegal, que existe devido à ausência do Estado”, analisa Erivaldo Costa Vieira, professor e coordenador do Núcleo de Pesquisa da FECAP.

Produtos que possuem maior valor agregado como eletrônicos, medicamentos, eletrodomésticos e combustíveis também são alvo do crime nas estradas, apesar dessas ocorrências apresentarem uma frequência menor. “Esse tipo de crime requer um pouco mais de inteligência e organização para venda e distribuição”, finaliza.

Roubo de caminhões

O estudo também analisou a taxa de roubo de caminhões no mesmo período e concluiu uma queda de 1%.

O município de São Paulo lidera o número de ocorrência de roubo de caminhões, com 28,2% dos casos. Em seguida, aparecem Guarulhos, Atibaia, Campinas e São José dos Campos. O bairro de Iguatemi, na Zona Leste, apresentou o maior número de casos. Logo depois vieram os bairros de Vila Maria, Vila Leopoldina e São Mateus.

Os dados sobre os furtos mostram a liderança, mais uma vez, da cidade de São Paulo, mas o percentual é menor: 17,9%. A cidade de Campinas está em segundo lugar, seguida por Guarulhos, Ribeirão Preto e Franca.

“O maior registro de ocorrências de furto é na Avenida Doutor Gastão Vidigal (Zona Oeste). Enquanto a Rodovia Fernão Dias (Trecho Capital) foi a via que liderou o número de roubos no período”, destaca Vitor Correa, coordenador do Comando de Operações do Grupo Tracker.

O período no qual o número de roubos é mais expressivo é o da manhã, com 41%, seguido da tarde, com 24%. As ações de furto, por sua vez, ocorrem majoritariamente de madrugada (37%), seguida pelo período da manhã (19%). Os períodos nos ajudam a observar que as dinâmicas de roubo e furto de caminhões possuem rumos de ação diferenciados.



Fenatran terá presença do caminhão mais rápido do mundo

IRON KNIGHT NA FENATRAN


Fluxo de veículos pesados nas rodovias concessionadas do país

FLUXO NAS RODOVIAS CRESCE

Atraso em obras causa queda na tarifa de pedágio de rodovias concessionadas

ATRASOS EM OBRAS


Anunciada a retomada da pavimentação da BR-156/AP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.