GIGANTE JAPONESA

A Hino Motors é uma moderna fabricante de caminhões japonesa, com diversas linhas de veículos, desde leves até pesados. A empresa faz parte do Grupo Toytota. Atualmente, a Hino tem produção de mais de 250 mil caminhões por ano e é responsável por 20% do mercado da Ásia, disputando de igual para igual com as gigantes chinesas.

Produção japonesa com o carimbo do Grupo Toyota

A Hino projeta, fabrica e vende caminhões de 6 até acima de 40 toneladas de Peso Bruto Total e conta com representações em países como China, Estados Unidos e Peru.

História de sucesso

A Hino começou em 1910 fornecendo soluções para iluminação a gás para as grandes cidades do Japão. Com a grande competição do segmento na época, a empresa passou a diversificar seus negócios e começou a fabricar componentes e elétricos e peças metálicas. Em 1917 produziu seu primeiro caminhão Modelo TGE Tipo, mas só foi reconhecida como uma fabricante automotiva em 1937. Quatro anos depois, a empresa mudou seu nome para Diesel Motor Industry Co., Ltd., que se tornaria no futuro a Isuzu Motors Limited.

No ano seguinte (1942), a nova entidade da Hino Heavy Industry Co., Ltd. se separou da Diesel Motor Industry Co., Ltd., e o nome Hino nasceu. Durante a Segunda Guerra Mundial, a Hino fabricou um veículo blindado de transporte de pessoal tipo 1 Ho-Ha e tipo 1 Ho-Ki para o Exército Imperial Japonês. Após o fim da Segunda Guerra Mundial, a empresa teve que parar de produzir grandes motores diesel para aplicações marítimas e, com a assinatura do tratado, a empresa retirou o nome “Pesado” e se concentrou formalmente nos caminhões-reboque pesados , ônibus e motores a diesel, como Hino Industry Co., Ltd.

Blindado Tipo 1 Ho-ha do Exército Imperial Japonês

Para aumentar seu foco de marketing para os clientes, em 1948, a empresa adicionou o nome “Diesel” para se tornar Hino Diesel Industry Co., Ltd. Em 1950, o TH10 para serviços pesados foi lançado, equipado com o novo diesel DS10 de 7 litros motor. Um caminhão de oito toneladas, era consideravelmente maior do que os caminhões japoneses existentes, que raramente tinham sido construídos para mais de 6.000 kg (13.230 lb) de carga útil.

Nos anos 1960 e 1970, a Hino se dedicou a projetos próprios e lançou versões de cavalos mecânicos e caminhões médios e pesados, com motorizações entre 280 e 400 cavalos de potência.

O sucesso da família Hino Ranger

Introduzidos no Japão em 1980, os primeiros modelos foram inspirados em caminhões europeus e era 35% mais aerodinâmico do que seu antecessor, de acordo com a Hino. A cabine foi montada por robôs, uma das inovações da época na produção.

Nos EUA, na parceria com a Ford, o nome Ranger não foi usado

A partir de 1982, a Ford Motor Company e a Hino assinaram um acordo para caminhões com engenharia de emblema a serem conhecidos como Ford N series para lançamento nos mercados da Austrália e Nova Zelândia para substituir os caminhões Ford D Series. O negócio durou 15 anos.

De 1988 a 1998, a terceira geração do Ranger foi fabricada sob licença pela Kia Motors e vendida como a primeira geração do Kia Rhino na Coreia do Sul.

A terceira geração Ranger foi o primeiro modelo Hino vendido nos Estados Unidos com as primeiras variantes FE17, FE19, FF17, FF19, FG19 e FG22 introduzidas em 1983 para o ano modelo 1984. Na América do Norte, o nome Ranger não foi usado e todos os caminhões foram vendidos com seus números de modelo.

Depois de 1987, a linha consistia nos modelos Day Cab Ranger FA e FB de quatro cilindros (Classe 3 e Classe 5, respectivamente), o maior Classe 5 Hino GC (seis cilindros a diesel de 160 cv), o Classe 6 FD com o mesmo motor e o FE maior turboalimentado (ainda Classe 6). [7] O Hino mais pesado vendido nos Estados Unidos foi a série FG e SG Classe 7, também da família Ranger. A produção da terceira geração para o mercado norte-americano terminou em 1992, quando foi substituída pelo modelo de quarta geração.

A produção de modelos japoneses começou a diminuir em 1989 (modelos de exportação e versões de uso especial continuaram a ser fabricados até 1992, pelo menos), enquanto os modelos indonésios duraram até 2003.

Atualmente, uma empresa moderna e conectada

Em 2018, a Hino e a Volkswagen Truck and Bus (posteriormente renomeada como Traton) anunciaram uma ampla parceria estratégica para atividades que incluem compras, tecnologias e logística. Em novembro de 2019, eles estabeleceram uma joint venture de aquisição chamada Hino and Traton Global Procurement, com 51% de propriedade da Traton e 49% da Hino.

Nos Estados Unidos, a Hino monta caminhões médios em sua fábrica de Mineral Wells, West Virginia. Suas instalações de manufatura em Marion, Arkansas, produzem eixos, juntas e componentes de suspensão para Tacoma, Tundra e Sequoia da Toyota.

O centro de distribuição de peças da Hino em Mira Loma, Califórnia, fornece aos distribuidores da América Latina e do Caribe peças de reposição genuínas da Hino.

Redação Planeta Caminhão


Caminhões pesados Iveco vão ganhar conectividade e novo visual para a linha 2021

IVECO CONECTADO

Mercedes-Benz lança edição especial do Actros com motorização de 625 cavalos

EDIÇÃO ESPECIAL DO ACTROS

Votação na Câmara dá vitória para limite de 40 pontos na CNH

NOVAS REGRAS PARA A CNH

Volvo FH Unlimited Edition dá adeus à velha geração do FH na Europa

EDIÇÃO ESPECIAL FH

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.