O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Wagner Santana, reuniu-se na última semana com o governador do Estado de São Paulo, João Dória (PSDB) e o presidente da Ford para a América Latina, Lyle Watters, para discutir as perspectivas em relação à venda da planta de São Bernardo.

No encontro, os representantes da Ford informaram que, de fato, as negociações com a Caoa foram encerradas sem sucesso, e que existem duas outras empresas do setor automotivo – ambas chinesas – interessadas no parque fabril.

 As negociações entre a Ford e as possíveis compradoras seguirão reservadas até que haja avanços mais concretos. Ao deixar o encontro, Wagner afirmou que saiu satisfeito por saber que a Ford continua disposta a vender o espaço privilegiando empresas do setor automotivo. “As negociações realmente continuam, agora com novos interessados. Estão todos empenhados em manter o parque fabril do setor automotivo, que é a vocação da nossa região. O ABC tem trabalhadores preparados e qualificados para atuar em qualquer novo negócio neste setor”, destacou.

O encontro foi realizado no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do Estado de São Paulo. Participaram também o vice-presidente da Ford, Rogério Goldfarb, o prefeito de São Bernardo, Orlando Morando, a secretária de Desenvolvimento Econômico do Estado, Patricia Ellen da Silva, o ex-presidente do Sindicato e presidente do Instituto TID-Brasil, Rafael Marques, além de assessores do governo e demais dirigentes do Sindicato.

Com informações do Canal Dana

Hyundai e Allison anunciam parceria para produzir caminhões leves automáticos

PARCERIA

Pesquisa aponta que tabela de fretes afetou oferta de cargas para autônomos

OFERTA DE CARGAS


Trecho de Santa Catarina da BR-101 é arrematado em leilão

LEILÃO DA BR-101


Acre ganha nova unidade do SEST SENAT em Cruzeiro do Sul

NOVA UNIDADE NO ACRE
3 Respostas para
Ford continua negociações para venda da fábrica no ABC
  1. talvez a ford pode voltar ao brasil se a jmc adquirir a fabrica do abc ja que elas sao parceiras na china

  2. Desde 2013 a matriz americana oferecia o complexo mas não houveram interessados. Com a recessão mundial e recentes epidemias as chances de compra diminuem. Aliado a este fato, o mercado brasileiro não comporta mais montadoras de automóveis e utilitários leves e pesados, a concorrência é muito grande e as diferenças salariais são abissais. O local do complexo passará a ser como o complexo Ipiranga, comércio ou moradias.


[topo]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.