O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Wagner Santana, reuniu-se na última semana com o governador do Estado de São Paulo, João Dória (PSDB) e o presidente da Ford para a América Latina, Lyle Watters, para discutir as perspectivas em relação à venda da planta de São Bernardo.

No encontro, os representantes da Ford informaram que, de fato, as negociações com a Caoa foram encerradas sem sucesso, e que existem duas outras empresas do setor automotivo – ambas chinesas – interessadas no parque fabril.

 As negociações entre a Ford e as possíveis compradoras seguirão reservadas até que haja avanços mais concretos. Ao deixar o encontro, Wagner afirmou que saiu satisfeito por saber que a Ford continua disposta a vender o espaço privilegiando empresas do setor automotivo. “As negociações realmente continuam, agora com novos interessados. Estão todos empenhados em manter o parque fabril do setor automotivo, que é a vocação da nossa região. O ABC tem trabalhadores preparados e qualificados para atuar em qualquer novo negócio neste setor”, destacou.

O encontro foi realizado no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do Estado de São Paulo. Participaram também o vice-presidente da Ford, Rogério Goldfarb, o prefeito de São Bernardo, Orlando Morando, a secretária de Desenvolvimento Econômico do Estado, Patricia Ellen da Silva, o ex-presidente do Sindicato e presidente do Instituto TID-Brasil, Rafael Marques, além de assessores do governo e demais dirigentes do Sindicato.

Com informações do Canal Dana

São Paulo adia reajuste dos pedágios por causa da pandemia

PEDÁGIOS SEGUEM SEM REAJUSTE

Scania apresenta caminhão Edição Especial

EDIÇÃO ESPECIAL SCANIA

Meritor solda eixos a laser na fábrica de Osasco (SP)

TECNOLOGIA MERITOR

Roberval Andrade conquista pódio com sabor de vitória

RETOMADA DA COPA TRUCK
3 Respostas para
Ford continua negociações para venda da fábrica no ABC
  1. talvez a ford pode voltar ao brasil se a jmc adquirir a fabrica do abc ja que elas sao parceiras na china

  2. Desde 2013 a matriz americana oferecia o complexo mas não houveram interessados. Com a recessão mundial e recentes epidemias as chances de compra diminuem. Aliado a este fato, o mercado brasileiro não comporta mais montadoras de automóveis e utilitários leves e pesados, a concorrência é muito grande e as diferenças salariais são abissais. O local do complexo passará a ser como o complexo Ipiranga, comércio ou moradias.


[topo]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.